100 anos de Astor Piazzolla

Data

4 de junho de 2021, 19:30:00

Local

Casa da Cultura Teatro Stephens, Marinha Grande

Entrada

3€ - Bilheteira da Casa Cultura Teatro Stephens ( a partir de 29 maio)

Programa

- 100 anos de Astor Piazzolla (1921-1992) -
1. Celos
2. Buenos Aires Hora Zero
3. Milonga del Angel
4. Inverno Porteño
5. Soledad
6. Nightclub 1960 (História do Tango) - [orquestração e arranjo para quinteto de Ilda Coelho]
7. Oblivion
8. Libertango

100 anos de Astor Piazzolla

TANGO4WOMEN

Porque o ano de 2021 marca o centésimo aniversário de Astor Piazzolla (1921-1992), apresentamos um concerto inteiramente dedicado a um génio incompreendido na sua época, principalmente no seu país. Criou o "Nuevo Tango", e, como tantos outros ao longo da história, foi apontado por não "seguir a tradição". Contudo, Astor era um espírito aberto sempre à procura de inovação naquela que é a sua música, foi esse o ímpeto que a tornou tão especial e tão verdadeiramente sua - destacando-se pelo seu estilo tão característico e idiossincrático.
Neste concerto viajaremos por sonoridades que nos levam mais além, desde o sentimento mais profundo e triste até ao lugar onde a felicidade rejubila, num espectro de emoções inigualável. Segundo Enrique Discépolo, "o tango é um pensamento triste que se pode dançar", mas também ele nos eleva e transmuta, permitindo-nos transitar de emoção em emoção, de sensação em sensação, bastando-nos anuir pela sua magia.

Biografia

Cinco Mulheres, que têm em comum a paixão e o amor pela música, juntam-se com o intuito de fazer música. Não uma música qualquer, mas aquela que, nos tempos da sua criação fora outrora, na sua existência, apenas feita por e para homens - o Tango. Nasceu nos subúrbios de Buenos Aires (Argentina) e, ainda que não exista muita documentação sobre a sua origem, pensa-se que este género musical, tenha sido criado para ser dançado por dois homens, explicando-se assim o seu estilo tão próprio, onde as caras raramente se tocam nos olhares.
Numa atmosfera preliminarmente masculina propomos uma visão de sensibilidade feminina.

4 JUN