Quarteto Lopes Graça

Data

24 de setembro de 2021, 20:30:00

Local

Teatro José Lúcio da Silva

Entrada

Entrada Gratuita

Bilhetes: Bilheteira do Teatro José Lúcio da Silva

Programa

|ALEJANDRO ERLICH OLIVA
(Buenos Aires, Argentina, 1948)

Tres Danzas Argentinas, para quarteto de cordas
(Obra dedicada ao Quarteto Lopes Graça)
Chacarera com Preludio / Zamba de muy lejos / Cueca Cabo de Vila

Pequeña Canción y Danza, para contrabaixo e quarteto de cordas

Três Canções, para soprano e quarteto de cordas
Florbela Espanca (1894-1930) “A Vida e a Morte”
Marquesa de Alorna (1750-1839) “Sozinha no Bosque”
Natália Correia (1923- 1993) “Do Dever de Deslumbrar”
(Obra dedicada a Natasa Sibalic)

Variações Bitemáticas, para quinteto de cordas
(2 violinos, violeta, violoncelo e contrabaixo)

Miniatura instrumental “Que linda falua”, para violino, violeta e violoncelo
(Obra dedicada a Mariana Espada Lopes, Miguel Erlich e António Novais)

|DIEGO KOVADLOFF
(Buenos Aires, 1968)

Quatro Canções sobre poemas portugueses, para soprano e quarteto de cordas
José Luís Peixoto (1974) “Limpar o pó”
David Erlich (1989) “Dei por mim” - “A Chuva”)
José Luís Peixoto (“Fotografia de Helsínquia”)
(Obra dedicada a Natasa Sibalic e ao Quarteto Lopes-Graça - Estreia absoluta)

|CONSTANÇA CAPDEVILLE
(Barcelona, 1937 - Lisboa, 1992)

Amen para uma ausência, para contrabaixo solo
(Obra dedicada a Alejandro Erlich Oliva)


|ALBERTO GINASTERA
(Buenos Aires, 1916 - Genebra, 1983)

Quarteto de Cordas nº 3, Op. 40, com soprano
1 - Contemplativo - Texto “La Música”, Juan Ramón Jiménez (1881 - 1958)
2 - Fantastico (instrumental)
3 - Amoroso - Texto “Canción de Belisa”, Federico García Lorca (1898 –1936)
4 - Drammatico - Texto “Morir al Sol”, Rafael Alberti (1902 – 1999)
5 - Di nuovo contemplativo - Texto “Ocaso”, Juan Ramón Jiménez

|ASTOR PIAZZOLLA

(Mar del Plata, Argentina, 1921 - Buenos Aires, 1992)
Kicho

Quarteto Lopes Graça

Carta Branca para ALEJANDRO ERLICH OLIVA
NATASA SIBALIC

Através de três décadas, tive o prazer de participar várias vezes no Festival Música em Leiria nas diversas modalidades da minha atividade de intérprete: contrabaixo solista da Orquestra Gulbenkian, membro fundador do Opus Ensemble e recitais com piano, em duo com Olga Prats. Esse longo percurso permitiu-me comprovar a sempre renovada vitalidade cultural e a solidez institucional sem fissuras deste encontro anual com a boa música, que hoje já ultrapassou a sua dimensão regional para se afirmar como uma das melhores manifestações do seu género em Portugal.
Aceito, portanto, esta “Carta Branca” com humildade e sincero reconhecimento.
Para além da minha presença como instrumentista, o projeto inclui outros aspetos ultimamente preponderantes na minha vida musical: a composição e a pedagogia.
No repertório deste concerto convoquei dois gigantes: Alberto Ginastera e Astor Piazzolla. Eles são, no meu entender, os maiores criadores musicais argentinos do Século XX. Demostrando mais uma vez a profunda causalidade das aparentes coincidências, eles tiveram relação de mestre/discípulo. Atipicamente, a modernidade do mestre não foi o caminho seguido pelo ilustre discípulo, que enveredou por uma audaciosa renovação do tango que, paradoxalmente, jamais tentou sair do sistema tonal. Sem ousar comparar o incomparável (as pessoas de estatura normal sabem que não devem competir com gigantes), a minha relação pedagógica com os meus colegas mais jovens avança por um trilho mais previsível, em que a pulsão inovadora da juventude frequentemente evade-se das recomendações professorais. A música de Diego Kovadloff exemplifica isso mesmo; está mais próxima da contemporaneidade do que a minha, que vive e respira dentro do sistema tonal.
Os misteriosos enigmas de Constança Capdeville também estarão presentes, na obra que me dedicou nos anos 80.
A poesia cantada de Portugal e Espanha ocupará um espaço preferencial neste programa.
Nas minhas “Três Canções...” escolhi grandes vozes femininas provenientes de três séculos de poesia portuguesa (Marquesa de Alorna, Florbela Espanca e Natália Correia) e meu colega e discípulo Diego Kovadloff homenageia dois poetas contemporâneos portugueses: José Luís Peixoto e David Erlich, em estreia absoluta. Pela sua vez, Alberto Ginastera interpola poemas de Juan Ramón Jiménez, Federico García Lorca y Rafael Alberti no universo alucinante do seu Quarteto de Cordas nº 3 com soprano.
Uma produção deste gabarito não seria possível sem a profunda cumplicidade dos seus intérpretes. Natasa Sibalic, Luís Pacheco Cunha, Eliot Lawson, Isabel Pimentel e Catherine Strynckx honraram o empreendimento com a generosa dádiva da sua dedicação e o seu talento.
Para eles, o meu afetuoso agradecimento.

Alejandro Erlich Oliva

Biografia

Música
Obras de:
ALEJANDRO ERLICH OLIVA
DIEGO KOVADLOFF
CONSTANÇA CAPDEVILLE
ALBERTO GINASTERA
ASTOR PIAZZOLLA

Poesia
Poemas de:
MARQUESA DE ALORNA
FLORBELA ESPANCA
NATÁLIA CORREIA
JOSÉ LUÍS PEIXOTO
DAVID ERLICH
JUAN RAMÓN JIMÉNEZ
FEDERICO GARCÍA LORCA
RAFAEL ALBERTI

Intérpretes
NATASA SIBALIC (canto)
QUARTETO LOPES-GRAÇA
Luís Pacheco Cunha e Eliot Lawson (violinos)
Isabel Pimentel (violeta)
Catherine Strynckx (violoncelo)
ALEJANDRO ERLICH OLIVA (contrabaixo e programação)


Produção:
Musicamera Produções | www.musicamera.pt